ÁREA RESTRITA - Bem Vindo {NOME_USUARIO}


NOTÍCIAS

DONA MARIA: abelardense comemora aniversário de 100 anos

Maria Gonçalves do Amaral é uma das moradoras mais antigas em vida no município. Ela nasceu em 10 de maio de 1918, na região do Alegre do Marco, interior de Abelardo Luz.

10/05/2018 às 17h41
Atualizada em 14/05/2018 - 16h21

Quem está comemorando 100 anos de vida hoje, dia 10 de maio, é a abelardense "Dona Maria Gonçalves do Amaral, nascida e criada em Abelardo Luz. Ela nasceu no ano de 1918 na região do Alegre do Marco, interior do município, onde vive até hoje com os filhos.
 
Na tarde desta quarta-feira (9), véspera do aniversário de 100 anos, ganhou uma festa surpresa e recebeu o carinho de amigos, familiares e vizinhos. A comemoração contou com a presença do vice-prefeito Jorge Piccinin e da secretaria de Gabinete do Prefeito Iracema Grespan.
 
Dona Maria Amaral é uma das moradoras mais antigas em vida no município. Ela vive com os filhos na linha Santa Bárbara e dispõe de muita disposição e saúde. Teve oito filhos, sendo dois já falecidos. É avó de 12 netos e tem pelo menos 13 bisnetos.
 
Na festa de aniversário, Dona Maria cortou o bolo dos 100 anos, mas disse que não gosta muito de doce e também não costuma tomar muito refrigerante, talvez uma das dicas para ter vida longa com saúde.
 
Com boa memória, ela conta que nunca foi à escola e que sempre trabalhou na roça. Também disse que acorda cedo todos os dias por volta das 5h para tomar chimarrão. Ela afirmou que ainda não parou de trabalhar e sempre que pode vai cuidar das plantações que cultiva em volta da casa e da propriedade.
 
LEMBRANÇAS DO TRABALHO NA ROÇA
 
De todos esses anos de vida ela recorda de muitas passagens, principalmente dos tempos difíceis de poucos recursos.
 
"Nascemos e se criamos trabalhando na roça até os 10 anos, sempre trabalhando, carpindo, plantando trigo. Depois fomos crescendo, roçando e derrubando terra de mato para fazer roça", relatou.
 
Quando ficavam doente ou eram vítima de mordida de cobra, Dona Maria conta que a única saída era o remédio caseiro com plantas ou "chá da horta" como ela diz, receita que recomenda a todos que queiram ter vida longa.
 
"Pra saúde tomava remédio da horta. Não existia médico. Se cobra pegava a gente, morria ou sarava. Não tinha remédio. Os benzedores que sabiam benzer saravam muita mordida de cobra, mas muitos morriam, não escapavam", conta.


Fonte: Asscom Prefeitura Abluz



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR




VEJA TAMBÉM